Integrantes: Lucas Nácul (NIEE - UFRGS) & Ana Paula (FACCAT)
Gincana do NIEE
ÍNDIOS






     A Chinchila é um roedor vegetariano que tem origem na Cordilheira dos Andes, onde se juntam Argentina, Bolívia Chile e Peru. Recebeu este nome em homenagem aos Índios Chinchila .
 Eles foram os primeiros habitantes antes dos portugueses. Receberam os portugueses pensando que eram visitas e estavam de passagem.
     O Brasil 500 anos tem cerca de 215 povos indígenas diferentes entre si quanto a nossa sociedade. De acordo com a FUNAI esses povos formam uma população de cerca de 359.000 pessoas, cerca de 0,02% da população brasileira . Existem 545 terras indígenas que correspondem a cerca de 11,12% do território. Não existem povos no DF e nos estados de Piauí e Rio Grande do Norte. Demograficamente a maioria é formada por pequenos povos , cerca de 83 e de o máximo 200 pessoas. Cinco tem até 10 mil pessoas . Guajajara ( MA ) , Potiguara ( PB ) , Wapixana ( RR ) , Xavante (MT ) e Yanomani ( AM e RR ) ; dois de 20.000 Macuxi ( RR ) e Terena ( MS ) ; Outros dois Karigang ( RS , SC , PR , SP ) e Ticuna ( AM ) Ava – Canoeiro , na Serra da Mesa ( GO ) ficaram reduzidos a 6 pessoas ( casal de irmãos , pais e duas idosas ) .
     A partir de 1988 os índios passaram a ter seus direitos específicos que , tem como ponto principal o reconhecimento de que eles fazem parte de sociedades organizadas na sua política , economia , etc.
 Segundo a tradição inaugurada no Brasil colonial , os índios eram conhecidos como diferentes dos europeus mas não se aceitava essa diferença.
     O PINEB é um programa de pesquisa radicado no Departamento de Antropologia e no programa de Pós–Graduação em  Ciências Sociais da Faculdade de Filosofia de Direitos Humanos da UFBA, tendo se iniciado com trabalho de campo entre os Paxatós  de Barra Velha ( mun. De Porto Seguro ) numa viagem de reconhecimento que congregou professores (de Antropologia e de História) e alunos de graduação em Ciências Sociais desta mesma faculdade . A equipe desembarcou na praia Fronteira ao monte Pasqual , em 8 de Dezembro de 1971 , data que é tomada como a do principiar do programa e remete a todas as implicações simbólicas que esta data possui na Bahia.
     Alguns povos como Aimoré , Ava – Canoeiro , Caeté , Caiapó , Guarani , Goitacás são índios que estão conseguindo sobreviver ao contato com os povos nacionais. Ao todo , são 208 povos.
 Existem várias incorporações ligadas ao índio: CIMI - Conselho Indígena Missionário, CDMAPI – Coordenaria de Defesa do Meio – Ambiente e Populações Indígenas do Ministério Público do Acre, Documentação Indígena Ambiental, FUNAI – Fundação Nacional do Índio, são instituições, corporações que estão ligadas diretamente com o Índio.
     Os Xavantes , pelos cálculos de historiadores, existe uma história de que os índios tenham diminuído pela metade desde o primeiro contato oficial do homem branco com os índios. O Fundo das Nações Unidas para a Infância ( unicef ) mantinha um trabalho de valorização da cultura indígena na Reserva Pimentel Barbosa . Mário Salimon , chefe da unicef, foi chamado para ajudar a escrever a história dos índios e brancos do ponto de vista dos indígenas. Uniu-se ao holandês Frans Leeuwenberg , especialista em fauna silvestre O projeto ficou engavetado até Julho de 1999. Nos ultimos dois anos cresceu o nº de Xavantes com turberculose. Chegou a 28 casos por aldeia. Os locais eram pouco ventilados e a mudança nos costumes alimentares, resultado da convivência com branco, facilitam a propagação da doença.
 

O índio – chefe é chamado de cacique. É ele quem dá as ordens nas tribos. Cada tribo tem seu cacique . O cacique é quem escolhe com quem as filhas se casam e quando se casam. Ele escolhe a data , o local , etc com o chefe de outra tribo.

O encontro com os Índios

        Narizinho, Emília e Visconde  foram atrás do menino, que estava mesmo decidido. Depois de penarem atrás de um barco, conseguiram um marinheiro disposto a ir remando com eles até a praia. Na verdade, Pedrinho e o marujo é que remavam, enquanto Narizinho tirava a água do bote e Emília e o Visconde fugiam de qualquer  respingo d’ água.
    - É nessas horas que eu daria tudo para ser uma boneca de plástico, como todas as outras. Se eu me molho, é o fim.
    - Não diga asneiras, Emilia. Se você se molhar,
depois eu te boto no varal e você seca num instantinho.
    - Ah, essa é boa! O Cabral descobrindo o Brasil e eu secando no varal!
    - Vocês duas querem calar o bico? Estamos chegando!
    Vamos ser os primeiros brasileiros a falar com os primeiros habitantes do Brasil, Visconde?
    O Visconde estava verde, branco e azul de tanto pavor de o barco virar, mas  mesmo assim tentou responder ao menino:
    Há indícios... de que o bote vai virar... quer dizer... de que, onze mil anos atrás, grupos humanos habitavam o Brasil... ou melhor, o que viria a ser o Brasil.
    Calcula-se que na época do descobrimento o Brasil tinha mais de 3.000.000 de  índios. Vivendo em terras que correspondem a menos de 6% do território – das quais só 8,3% estão legalmente demarcadas- , os índios brasileiros são vítimas de constantes invasões e desmatamentos em suas áreas. Os Indígenas viviam por volta de 200 a 300 mil índios, a maioria vive na Amazônia.

Os Primeiros Habitantes do Brasil (origem, distribuição, população,  etc.)

     Desde a época em que os primeiros europeus chegaram ao continente americano que a  pergunta sobre a origem dos povos aqui encontrados vem desafiando os pesquisadores e  muitas hipóteses já foram levantadas, mas ainda não há uma resposta satisfatória e definitiva. Há pontos, no entanto, já definidos, como o fato de que o homem não surgiu na América, mas veio de fora e chegou aqui em época mais recente do que na Europa, por meio de migrações sucessivas de povos de origem asiática. Chegaram ao continente  principalmente, através do Estreito de Bering que, na época da última grande glaciação,      quase juntava a Ásia com a América do Norte (região do atual estado americano do Alasca).
     Uma vez na América e com o passar do tempo, os novos habitantes foram-se  espalhando por todo o território, de norte a sul e já que o povoamento da América ocorreu há milhares de anos, tanto as populações asiáticas que lhes deram origem como os diferentes povos que aqui vivem atualmente já se modificaram muito desde então.
     Em terras brasileiras, pelo menos até a década de 1970, os estudos arqueológicos, paleontológicos e geológicos apontavam os vestígios humanos encontrados na região de  Lagoa Santa, Minas Gerais, como os mais antigos, datando de 8.000 anos atrás.
     Entretanto, pesquisas mais recentes, realizadas no Piauí e na Bahia, recuaram ainda  mais esta datação, falando-se em 20.000 e até 40.000 anos de antigüidade do homem  em solo brasileiro.
     Dizer quantos índios habitavam o Brasil na época do descobrimento é tarefa praticamente  impossível, pois o território brasileiro foi sendo conquistado aos poucos e sua  configuração atual é relativamente recente (do final do século passado). Por outro lado, os europeus que aqui chegaram não tinham a preocupação de fazer um censo da população encontrada. Há apenas vagas estimativas (fala-se em cerca de 5 milhões ou  mais). O fato é que, como resultado do contato com os povos que para cá imigraram nos últimos cinco séculos, a população indígena decresceu muito desde então. Hoje, o  número de sociedades indígenas conhecidas existentes no Brasil é de 215, com uma  população total de 325.652 pessoas (dados de meados de 1997).
     Além das mencionadas acima, ainda há sociedades indígenas isoladas, isto é, que não  mantêm contato com a sociedade brasileira, vivendo em regiões de difícil acesso e  procurando se manter afastadas, como forma de autodefesa. A FUNAI mantêm Frentes de Contato (atualmente, em número de sete) para desenvolver os trabalhos de aproximação pacífica com os índios isolados e procurar protegê-los do contato repentino e direto com certas parcelas da população brasileira (como garimpeiros, madeireiros, etc.), procurando minimizar o efeito pernicioso que este tipo de contato pode trazer para as populações indígenas em geral, mas especialmente para aquelas que se mantêm   isoladas. Existem informações de 55 possíveis grupos diferentes de índios isolados, a maioria com localização na região da Amazônia Legal.
     Na atualidade, a superfície total de terras indígenas é de 83.507.923 hectares,  distribuídos entre 556 áreas diferentes, espalhadas por todo o território nacional (dados de meados de 1997). Perfazem 9,81% do total do território brasileiro, mas ainda restam  terras indígenas por serem identificadas e regularizadas. A maior parte da população indígena concentra-se na região amazônica.